Orientação: Adjunto Parlo Mestre Zílcio

  • Downloads Lei do Trabalho de Defumação No Sudálio 

  • TRABALHOS DE  DEFUMAÇÃO NO SUDÁLIO  UNIFICAÇÃO DAS LEIS DO AMANHECER

    No dia 4/fev/2003, ocorreu o I Encontro Doutrinário dos Presidentes de Templos do Amanhecer, no qual o Trino Ajarã implantou a 1ª Etapa da Unificação das Leis do Amanhecer, com a matéria aprovada pelo Trino Araken. A reunião foi gravada em fitas de vídeo e documentada em ata, para registrar e comprovar a veracidade das informações. 

    Sobre a  DEFUMAÇÃO NO SUDÁLIO   ficou estabelecido: 

    I INTRODUÇÃO = O trabalho de Defumação é um poder Evangélico. 

    II LOCAL = Nos Templos que dispõem de Corrente Mestra, ele é realizado no Sudálio. 

    III MÉDIUNS = Para sua realização, é necessário: 

          • Um Mestre Adjuração para o Comando; 

           • Uma Ninfa Lua Centuriã; e 

          • Um Ajanã para a defumação. 

    IV INDUMENTÁRIA = Os mestres deverão estar com uniformes iguais (todos de branco ou todos de jaguar ou todos de indumentária). 

    VI PRISIONEIROS = Prisioneiros poderão participar deste trabalho. 

    VII PACIENTES = Este trabalho é realizado com o máximo de 7 pacientes, que deverão ser encaminhados pelos Mentores. 

    VIII COMANDO = O Comandante posiciona-se entre o Anodai e o Anodaê. A Ninfa Lua posiciona-se à esquerda do Comandante. 

    IX O Coordenador consulta se os pacientes foram recomendados pelas Entidades a passarem neste trabalho. Em seguida, orienta para que se anodizem e os encaminha para ocupar seus lugares. 

    X O Comandante pede ao Ajanã para Defumar o ambiente. O Ajanã deverá defumar o local sempre no sentido horário. 

    XI Esta defumação será contínua, no decorrer do trabalho. 

    XII O Comandante, pausadamente, pede aos pacientes para colocarem as mãos sobre os joelhos com as palmas voltadas para cima. Solicita que no decorrer deste trabalho, mentalizem seus lares, suas oficinas de trabalho, seus amores e, principalmente, aqueles que se dizem seus inimigos. 

    XIII O Comandante abre os braços, em forma de antenas (posição de comando) e, girando o corpo lentamente, de um lado para outro, faz a sua emissão. 

    XIV Em seguida a Ninfa Lua faz a sua emissão, mantendo-se na mesma posição do Comandante (com os braços abertos, girando lentamente o corpo de um lado para outro). 

    XV Ao término da emissão da Ninfa Lua, o Comandante dá início às invocações. 

    XVI Ao Emitir a invocação, o Comandante eleva a voz gradativamente, provocando uma ênfase no tom da mesma. 

    XVII Terminada a invocação, faz 3 elevações. 

    XVIII ENCERRAMENTO = Em seguida libera os pacientes, desejando boa sorte aos mesmos. 

    >