Origem Atual

O movimento doutrinário e religioso, conhecido como “Vale do Amanhecer”, tem dois aspectos distintos, duas maneiras de ser visto: a primeira, é em sua origem remota, o caminho percorrido pelos espíritos que o compõem; a das circunstâncias que presidiram sua formação atual.

Corrente Indiana do Espaço

Na atualidade, a Corrente Indiana do Espaço é a única força crística (Iniciática) que está atuando neste nosso planeta Terra. Embora com princípios fundamentais comuns a todas as religiões, ela se identifica mais com o Espiritualismo pela clareza com que considera o fenômeno reencarnatório. Sua posição é de absoluto respeito a qualquer outra corrente, religião ou doutrina, que nos obriga a atender quem quer que seja em nosso Templo, sem necessidade de se identificar ou contar seus problemas. Proíbe-nos de proselitismo, de críticas a outras religiões e não podemos interferir com as crenças de quem nos procurar. Sua força é projetada desde a Cabala Indiana dos Grandes Iniciados e, embora não seja um Oráculo, emite elevado poder desobsessivo. Foi levada à perfeição pelo trabalho de velhos indianos, sábios que praticavam a Magia desde a mais remota antigüidade, e a transformaram em Ciência. Como tal, não pode ser desobedecida, nem mesmo desprezados os pequenos detalhes de suas instruções, pois isso pode levar a resultados desastrosos e imprevistos, até mesmo perigosos, que provocam no transgressor, conforme sua mediunidade ou sensibilidade orgânica, dores, febres e outras perturbações. Quando obedecemos rigorosamente as instruções da Corrente Indiana do Espaço, trazidas por nossos Mentores, estamos dispondo da mais poderosa força da Magia que um ser humano pode receber, pois, sendo ela originária dos tempos primitivos da Humanidade, acumula experiências milenares que se somam a recursos organizados pela Espiritualidade, capazes de atender a quaisquer emergências. Além disso, suas instruções nos chegam dentro de estrita observância e obediência às Leis que regem a Magia, exigindo de nós obediência, humildade, vontade de aprender e caridade.

Correntes Brancas do Oriente Maior

CORRENTES BRANCAS DO ORIENTE MAIOR são raios ou raízes projetadas pelo Oráculo de Olorum e polarizadas, juntamente com as forças telúricas, nos Himalaias, agindo, em harmonia com a Corrente Indiana do Espaço, nos diversos Sandays e trabalhos no Templo. Comandadas pelos Orixás, são divididas de acordo com as finalidades de cada trabalho. Dessas Correntes fazem parte as Linhas dos Pretos Velhos, dos Caboclos, das Princesas e das Sereias, e dos Médicos do Espaço. Apenas, a título de manter a memória de nossa Doutrina, pois muita coisa evoluiu em termos de poder desobsessivo e manipulação de energias, transcrevemos as Instruções Preliminares para os trabalhos com as Correntes Brancas do Oriente Maior: “

1) ABERTURA: Glória a Deus pelo Infinito e paz na Terra a todas as criaturas! Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo! (3 vezes) Em nome de Deus, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, em nome de Seta Branca, Mãe Yara e de toda a abnegada falange das Correntes Brancas do Oriente Maior! 

2) DISCIPLINA EXIGIDA: a) Total abstenção do álcool, até mesmo de medicamentos que o contenham; b) moral sadia; c) mente sã; d) vestuário decente; e) higiene pessoal; f) pontualidade nos trabalhos; g) convívio harmônico entre os componentes, formando um só coração e um só pensamento; h) desejo sincero de servir, de aprender e de progredir.” (Tia Neiva, s/d) 

Missão

Missão é a função que a Espiritualidade nos conferiu para, no limiar da Nova Era, ajudar na recuperação do maior número de espíritos possível para que possam alcançar planos mais evoluídos. Isso inclui nossos próprios espíritos, porque temos que buscar nossa evolução através do trabalho mediúnico, com amor, tolerância e humildade, e isso só é possível com nossa dedicação à Lei do Auxílio. Embora todo espírito, ao reencarnar, tenha um programa a cumprir, ligado diretamente a problemas individuais em sua faixa cármica, nem todos recebem uma missão, que é suplemento de seu programa evolutivo, com seu comprometimento em evoluir, cuidar e ajudar outros espíritos, encarnados e desencarnados, com suas forças e sua mediunidade. A Espiritualidade nos deu a missão, mas não nos obriga a ela. Cumpri-la ou não vai depender somente de nós mesmos, de nosso livre arbítrio. Existem profundas diferenças entre os seres humanos, e uma é devida à tônica que cada um dá à sua vida: há um grupo que se preocupa somente com sua saúde física, com seu corpo, buscando a boa forma muscular e atlética, ocupando-se com exercícios físicos, dominados pela tônica física; há os que têm a tônica psíquica - cientistas, intelectuais, artistas e eruditos -, e dependem de seu intelecto, com sua consciência dominada pelo fator intelectual; e há os missionários, com seu campo consciencional em constante expansão, buscando a integração crescente com o Universo, a evolução de seu espírito, vivendo sob a tônica espiritual. Por isso, não temos como induzir ou forçar alguém a nos seguir. Nossa missão é, primeiro, manter nosso equilíbrio e ampliar nossos conhecimentos num permanente desenvolvimento mediúnico; e, depois, a ajuda aos nossos irmãos encarnados e desencarnados, com o amor colocado em ação na Lei do Auxílio. Mesmo entre nós, na Corrente, temos parte dessa missão, pois precisamos estar atentos aos companheiros de luta que, esquecidos de seus compromissos, se deixam ficar parados, presas do desânimo, estagnados por crises emocionais e momentos de dificuldades psicológicas ou materiais. Com muito amor, temos que alertá-los para o que está acontecendo, mas sem julgar, nem criticar e nem obrigar. Sempre ouvimos Koatay 108 nos dizendo que só sabemos que estamos realmente evoluindo quando deixamos de nos preocupar com a conduta dos outros. Devemos, sim, nos preocupar com nossa própria conduta, mantendo elevado nosso padrão vibratório, harmonizado o nosso espírito, sabendo que nosso campo consciencional vai-se expandindo pela nossa preocupação em manter a sintonia de nosso espírito e saudável o nosso corpo, o que nos torna mais capazes para nossa missão. Aprendemos que nossas vidas nos proporcionam momentos difíceis, com mais dores do que aqueles que não têm missões a cumprir, porém aprendemos, também, que sofremos menos do que eles, tanto física como psicologicamente. Temos que ser instrumentos o mais perfeitos possível para desempenhar as tarefas de que nos incumbiram os Espíritos de Luz, sabendo emitir um ectoplasma luminoso, projetar vibrações de elevado padrão, trabalhar assiduamente, onde quer que seja necessário, na Lei do Auxílio.

Entrada do Templo Mãe

O templo é um recinto sagrado, e sua criação se deu em tempos bem antigos para abrigar os deuses, sendo um lugar de concentração, de oração e de oferendas.  Assim, nosso Templo-Mãe atual, cuja construção foi terminada em 1974, foi erigido de acordo com determinações da Espiritualidade Maior, voltado para a dinâmica da Doutrina, com formas e cores atuantes por suas naturezas vibratórias, não como local de orações ou tranqüilidade emocional e espiritual. É uma Casa de Deus, é a Casa de Pai Seta Branca, mas totalmente voltada para o pleno exercício da caridade, na Lei do Auxílio. Não é um lugar de paz e tranqüilidade, mas sim de movimentação de numerosos médiuns que manipulam fantásticas forças desobsessivas e curadoras em benefício das centenas de pacientes que chegam em busca de conforto e esperança.

A Elipse

A Elipse tem a função captadora e distribuidora de energias, simboliza também a evolução do Cristianismo de sua fase de martírio (fase cármica) para sua fase científica. Existem sete Elipses no Vale do Amanhecer distribuídas da seguinte forma: uma na Estrela de Neru, uma na Mesa Evangélica, uma na Estrela Candente, uma no alto do Morro da Estrela Candente, duas nas entradas da Pira e outra por trás do Caminheiro. a elipse se faz presente onde haja um portal de desintegração, ponto energético fazem desintegrações forças negativas ou cargas magnéticas pesadas, passagens falanges espíritos sem luz. o desintegração age sob influência da antimatéria (*) , com aplicação anulação força por outra igual intensidade mas polaridade (*) oposta.Ali se fazem grandes manipulações energéticas, com a Espiritualidade aplicando poderosos choques aos irmãozinhos que estejam muito negativos, adicionando potentes forças magnéticas às elevações dos Doutrinadores para que os espíritos possam se livrar das fortes amarras que os prendem aos Grandes Chefes dasTrevas. Ao fazer uma elevação (*) , o Doutrinador deve sempre mentalizar um portal de desintegração - o da Mesa Evangélica ou o da Estrela Candente são os mais aconselháveis. Existem algumas elipses que contêm figuras em seu interior, mas são apenas símbolos: as setas indicam as forças verticais que interagem com os diversos planos (estrelas) e atuam no corpo do médium (taça).

A Pirâmide

Viajando com Tiãozinho, ou melhor, com o Capelino Stuart, Tia Neiva sobrevoou as pirâmides do Egito e ouviu a explicação de que no interior delas haviam preciosos ensinamentos cuja revelação poderia alterar toda a trajetória humana. Segredos da sabedoria cósmica, documentos, máquinas e provas vivas deste conhecimento. Em outros três lugares, na Terra, existem pontos em que essa herança está guardada: no Brasil Central, nos Andes e outro ainda não revelado. Alguns encontraram parte destes tesouros e os revelaram, mas não foram acreditados; outros, pelas condições espirituais em que se mantinham, guardaram as revelações só para si. As pirâmides eram usinas de força, onde os cientistas se concentravam para conjugação de suas forças psíquicas. Ali estavam reunidos o conhecimento e a documentação dos planos planetários, os instrumentos básicos e os meios de comunicação. O Grande Jaguar, Pai Seta Branca, era especialista na construção de pirâmides. Com sua química, decompunha rochas e as moldava de acordo com as necessidades. Por processos eletromagnéticos, as superfícies eram vitrificadas, segundo nos relatou o Trino Tumuchy no livro “2000 - A Conjunção de Dois Planos”. Muito se tem pesquisado e tentado explicar, sem conclusão, pelos métodos modernos de pesquisa da Ciência.

>